Farmacodinâmica

Definição – é o campo da farmacologia que estuda os efeitos fisiológicos dos fármacos nos organismos, seus mecanismos de ação e a relação entre concentração do fármaco e efeito.

Ítens abordados:
Local de Ação – Onde este fármaco irá atuar, depende da sua Seletividade/Especificidade.
Mecanismo de ação – Como este fármaco irá agir.
+Efeito Farmacológico –
-Efeitos Adversos  – Qualquer consequência indesejada.
-Efeito Colateral – Consequência indesejada já esperada quando o fármaco é administrado.

Tipos de Mecanismo de Ação
-Fármacos de Ação Inespecífica – Sua sua atividade resulta apenas na interação de algumas moléculas ou íons do organismo. As ações desses fármacos dependem ,basicamente, das suas propriedades físico-químicas, como a solubilidade, o pKa, o poder oxi-redutor e a capacidade de adsorção.
Ex. Anti-ácido – age apenas alcalinizando o meio.

-Fármacos de Ação específica – b-) Fármacos estruturalmente específicos, em que a sua atividade só acontece quando á interação entre estruturas em locais específicos ,apresentam, portanto, um alto grau de seletividade. As drogas desse grupo também apresentam uma relação definida entre sua estrutura e a atividade exercida.

Aquele que para produzir seu efeito nescessita da ligação de um fármaco a um receptor.

Tipos de Fármacos de ação específica:
1. Fármacos que interagem com enzimas – Podem induzir ,inibir ou reativar enzimas.
2. Fármacos que interagem com proteínas carregadoras
3. Fármacos que interferem com os ácidos nucléicos – Interagem com DNA ou RNA
4. Fármacos que interagem com receptores

Interação Fármaco vs. Receptor
Receptores são estruturas moleculares altamente especializadas, que tem no organismo afinidade de interar-se com substâncias endógenas com função fisiológica, e que podem também reagir com substâncias exógenas, que tenham características químicas e estruturais comparáveis às substâncias que ocorrem naturalmente no organismo.”
(Profª Drª W.P.B. Ramos – Apostila de Farmacologia – Unesp)

Em relação aos receptores, os Fármacos podem ser:
-Agonista -> Ao se ligar ao receptor,ele desencadeia sua função\executa sua biológica.
-Antagonista-> Se liga ao receptor, mas não exerce nenhuma função biológica.
As vezes na farmacologia, são usados antagonistas para se ligar ao receptor, apenas para que outros fármacos não se liguem a ele.
-Agonista Parcial  – > Se liga ao receptor, mas não executa todas suas funções biológicas.

Receptores Protéicos
+ Ionotrópicos
– Tem afinidade com o íon-> Funciona com canal iônico regulados por ligantes. Regulam o fluxo de íons através dos canais da membrana, produzindo despolarização ou hiperpolarização.
+Tirosinacinase –
Quando o agonista o ativa, esse receptor aume uma postura enzimática, e cataliza reações.
+Metabotrópicos –
Receptores que desenvolvem suas funções através da proteína G, que ao ser ativada, inicia uma cascata de reações. 
+Nucleares/Esteroidais –
Quando o agonista o ativa ele influencia a transcrição genética.

Modificadores
->Down-Regulation (Tolerância,Taquifilaxia)
Causado pelo uso crônico do agonista.
Quando um fármaco é administrado por um longo período, os receptores começam a diminuir sua capacidade, o que faz com que , na maioria das vezes, a pessoa aumentar a dose do fármaco.
Ex. Cachaceiro crônico precisa beber muito.

->Up-Regulation  (Supraregulação)
Causado pelo uso crônico de antagonistas.
Como o antagonista bloqueia os canais e não exerce nenhuma função, o organismo começa a produzir novos receptores. O grande problema é descontinuar a administração desse fármaco,pois o organismo terá inúmeros receptores para que outros fármacos se liguem a ele.

Leitura complementar – Farmacodinâmica e Farmacocinética